O Livre arbítrio

O livre arbítrio é definido como “a faculdade que tem o indivíduo de determinar
a sua própria conduta“, ou, em outras palavras, a possibilidade que ele tem de,
“entre duas ou mais razões suficientes de querer ou de agir, escolher uma delas
e fazer que prevaleça sobre as outras”.

Problema fundamental da Filosofia  ética e psicológica, vem sendo estudado e discutido acaloradamente desde os  primeiros séculos de nossa era, dando ensejo a que se formulassem, a respeito, várias doutrinas díspares e antagônicas. Acham alguns que o livre arbítrio é absoluto, que os pensamentos, palavras e ações do homem são espontâneos e, pois, de sua inteira responsabilidade.

Evidentemente, laboram em erro, porquanto não há como deixar de reconhecer as inúmeras influências e constrangimentos a que, em maior ou menor escala, estamos sujeitos, capazes de condicionar e cercear a nossa liberdade. No extremo oposto, três correntes filosóficas existem que negam peremptoriamente o livre arbítrio: o fatalismo, o
predestinacionismo e o determinismo.

Os fatalistas acreditam que todos os acontecimentos estão previamente fixados por uma causa sobrenatural, cabendo ao homem apenas o regozijar-se, se favorecido com uma boa sorte, ou resignar-se, se o destino lhe for adverso. Os predestinacionistas baseiam-se na soberania da graça divina, ensinando que desde toda a eternidade algumas almas foram
predestinadas a uma vida de retidão e, depois da morte, à bem-aventurança
celestial, enquanto outras foram de antemão marcadas para uma vida reprovável e,
conseqüentemente, precondenadas às penas eternas do inferno.

Se Deus regula, antecipadamente, todos os atos e todas as vontades de cada indivíduo —
argumentam —, como pode este indivíduo ter liberdade para fazer ou deixar de
fazer o que Deus terá decidido que ele venha a fazer? Estas duas doutrinas, como
se vê, reduzem o homem a simples autômato, sem mérito nem responsabilidade, ao
mesmo tempo que rebaixam o conceito de Deus, apresentando-O à feição de um
déspota injusto, a distribuir graças a uns e desgraças a outros, unicamente ao
sabor de seu capricho. Ambas repugnam às consciências esclarecidas, tamanha a
sua aberração .

Os deterministas, a seu turno, sustentam que as ações e a  conduta do indivíduo, longe de serem livres, dependem integralmente de uma série de contingências a que ele não pode furtar-se, como os costumes, o caráter e a índole da raça a que pertença; o clima, o solo e o meio social em que viva; a educação, os princípios religiosos e os exemplos que receba; além de outras circunstâncias não menos importantes, quais o regime alimentar, o sexo, as
condições de saúde, etc.

Os fatores apontados acima são, de fato, incontestáveis e pesam bastante na maneira de pensar, de sentir e de proceder do homem.

Assim, por exemplo, diferenças climáticas, de alimentação e de filosofia, fazem de hindus e americanos do norte tipos humanos que se distinguem profundamente, tanto na compleição física, no estilo de vida, como nos ideais;
via de regra, a fortuna nos torna soberbos, enquanto a necessidade nos faz humildes; um dia claro e ensolarado nos estimula e alegra, contrariamente a uma tarde sombria e chuvosa, que nos deprime e entristece; uma sonata romântica nos predispõe à ternura, ao passo que os acordes marciais nos despertam ímpetos belicosos; quando jovens e saudáveis, estamos sempre dispostos a cantar e a dançar, já na idade provecta, preferimos a meditação e a tranqüilidade, etc.

Daí, porém, a dogmatizar que somos completamente governados pelas
células orgânicas, de parceria com as impressões, condicionamentos e sanções do
ambiente que nos cerca, vai uma distância incomensurável. Com efeito, há em nós
uma força íntima e pessoal que sobreexcede e transcende a tudo isso: nosso “eu”
espiritual!

Esse “eu”, ser moral ou alma (como quer que lhe chamemos), numa criatura de pequena evolução espiritual, realmente pouca liberdade tem de escolher entre o bem o mal, visto que se rege mais pelos instintos do que pela inteligência ou pelo coração. Mas, à medida que se esclarece, que domina suas paixões e desenvolve sua vontade nos embates da vida, adquire energias poderosíssimas que o tornam cada vez mais apto a franquear obstáculos e limitações, sejam de que natureza forem. Não é só.

Habilita-se também a pesar as razões e medir conseqüências, para decidir sempre pelo mais justo, embora desatendendo, muitas vezes, aos seus próprios desejos e interesses. Um dia, como o Cristo, poderá afirmar que já venceu o mundo, pois, mesmo faminto,
terá a capacidade de, voluntariamente, abster-se de comer; conquanto rudemente
ofendido, saberá refrear sua cólera e não revidar à ofensa; e, ainda que todos
ao seu derredor estejam em pânico, manterá, imperturbável, sua paz interior.
(Cap.X, q. 843)

Rodolpho  Calligares

Do livro “As Leis Morais”, de Rodolpho Calligares.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s