Victor Hugo

Nascido a 1802 em Besançon, no Doubs, Victor Hugo foi o terceiro filho de Sophie Trébuchet e Joseph Hugo, um major que, mais tarde, se tornaria um general do exército Napoleonico.

A infância de Victor Hugo foi marcada por grandes acontecimentos. Napoleão foi proclamado imperador dois anos depois do nascimento de Victor Hugo, e a monarquia dos Bourbons foi restaurada antes de seu décimo oitavo aniversário. Os pontos de vista políticos e religiosos opostos dos pais de Victor Hugo refletiam as forças que lutavam pela supremacia na França ao longo de sua vida: seu pai era um oficial que atingiu uma elevada posição no exército de Napoleão. Era um ateu republicano que considerava Napoleão um herói, enquanto sua mãe era uma radical católica defensora da  casa real, sendo que se acredita tenha sido amante do general Victor Lahorie, que foi executado em 1812 por tramar contra Napoleão.

Victor Hugo muito se agigantou pela inteligência; poeta genial, escritor primoroso e fecundo.
Sustentou, sem esmorecimentos, tremendas lutas em prol da liberdade, enfrentando a ira dos reacionários de todos os tempos, desses que não vacilam em sacrificar as coisas mais sagradas e nobres para que seus interesses fiquem incólumes.

Por ter sido grande demais, deixou de ser cidadão francês para se tornar cidadão do mundo, porque, como foi dito, sua obra literária, suas palavras, no campo político, suas idéias e pensamentos influíram e beneficiaram os povos do mundo inteiro! Ele próprio
sentia, não obstante seu entranhado amor ao país de seu nascimento, que  pertencia a todos os povos que sofriam e se viam cerceados da liberdade de pensa. Desse modo, a ele cabia o dever de trabalhar, lutar infatigavelmente para que a luz da verdade espiritual reinasse nas almas de todos os seus irmãos, fossem eles desta ou daquela pátria. E para que essa luz pudesse brilhar, era condição sine qua non que aos homens fosse adjudicado o sagrado direito de liberdade, liberdade de sentir Deus e sua Justiça, dentro
das possibilidades intelectuais de cada um. Essa liberdade, enfim, que é uma
condição essencial do homem.

Eis porque, em pleno Congresso da Paz, em Lausanne, afirmou: Sou cidadão de todo homem que pensa!

Não é o intento, sem dúvida, descrever a vida e a obra de Victor Hugo, vida por demais extensa, pois que em tudo ele foi exímio, seja como poeta, pensador, dramaturgo, romancista, historiador, panfletista, orador, jornalista e espírita.

Mostrou-se sempre inimigo intransigente da pena de morte: A cabeça do homem do povo está cheia de princípios úteis… cultivai, decifrai, regai, esclarecei, moralizai, utilizai essa cabeça e não tereis necessidade de cortá-la!

É o propósito, porém, descrever sobre a personalidade de Victor Hugo, focalizá-lo como espírita, mesmo que de maneira sucinta.

Em 1852, em face de suas atitudes políticas, viu-se ele na contingência de refugiar-se em Jersey, na vivenda Marine-Terrace. Logo após chamou para junto de si a mulher e os filhos, aos quais se reuniram alguns amigos, e entre eles Vacquerie e Julieta Drouet.

Em setembro de 1853, chegava a Jersey, de visita, a Sra. De Girardin, levando a grande novidade: o Espiritismo.

Neste ponto, segue a transcrição, que enlaça o assunto referido, narrado por Raymond Escholier em seu livro intitulado A Vida Gloriosa de Victor Hugo:

As suas crenças religiosas, que a certas almas frívolas parecem tão simples, tão restritas, por vezes tão extravagantes, são a verdadeira herança transmitida pelos seus ancestrais
rústicos.

A bem dizer, essas idéias são mais velhas do que o Cristianismo: fé na
sobrevivência e na presença permanente dos mortos, no poder do sortilégio e da
magia. Hugo não se limita a introduzir na poesia francesa as expressões do
povo, a linguagem popular, tão cheia de imagens, tão colorida, tão expressiva;
deu igualmente o direito de cidadania às crenças do homem primitivo, que sempre
existiu no velho solo da França.

Para encontrar aquela que ficou em França, aquela a quem Victor Hugo cantou a mãe dolorosa, consultou ele à sua velha amiga, a Sra. Girardin; interrogando, por intermédio das mesas falantes, o túmulo coberto de ervas e de sombras. Com a Sra. Hugo, com Carlos, maravilhoso médium, com Augusto Vacquerie e o General Le Flô, Victor crê penetrar o segredo das forças obscuras.

O primeiro Espírito que se apresentou em Marine-Terrace foi o de Leopoldina.

Onde estás? pergunta o poeta.

Luz.

Que é preciso fazer para ir ter contigo?

Amar.

Então na pequenina casa, tão triste, todos choraram, todos acreditaram.

Nas revelações das mesas, Victor Hugo vê a deslumbrante confirmação das suas idéias religiosas. E é nessa convicção que escreve, a 19 de setembro de 1854:

Tenho uma pergunta grave a fazer. Os seres, que povoam o Invisível e que lêem os nossos pensamentos, sabem que há vinte e cinco anos me ocupo dos assuntos que a mesa suscita e aprofunda. Mais duma vez a mesa me tem falado desse trabalho; a Sombra do Sepulcro incitou-me a terminá-lo. Nesse trabalho, evidentemente conhecido no além, nesse trabalho de vinte e cinco anos, encontrara, apenas pela meditação, muitos resultados que compõem hoje a revelação da mesa; vira distintamente confirmados alguns desses resultados sublimes; entrevira outros que viviam no meu espírito num estado de embrião confuso. Os seres misteriosos e grandes que me escutam, vêem, quando querem, no meu pensamento, como se vê numa gruta com um archote; conhecem a minha consciência e sabem quanto tudo o que eu acabo de dizer é rigorosamente exato, que fiquei por momentos contrariado, no meu miserável amor-próprio humano, pela revelação atual, que veio lançar à volta da minha lampadazinha de mineiro o clarão dum raio ou dum meteoro. Hoje, tudo o que eu vira por inteiro
é confirmado pela mesa: e as meias revelações a mesa as completa. Neste estado
de alma escrevi: ‘O ser que se chama Sombra do Sepulcro aconselhou-me a
terminar a obra começada; o ser que se chama Idéia foi mais longe ainda e
‘ordenou-me’ que fizesse versos atraindo a piedade para os seres cativos e
punidos, que compõem o que parece aos não videntes a Natureza morta; obedeci.
Fiz versos que Idéia me impôs’
.

Em 22 de maio, de 1885, desencarnou o Espírito de Victor Hugo. Eis as suas últimas vontades consignadas em testamento confiado a Augusto Vacquerie:

Deixo 50.000 francos aos pobres. Desejo que me levem ao cemitério na carreta dos pobres. Recuso as orações de todas as igrejas. Creio em Deus.

Um abraço a todos………. Victor Hugo

Existem muitos livros escritos por esse grande homem, após o seu desencarne. Dentre estes, os mais conhecidos são :

1. NA SOMBRA E NA LUZ
2. DO CALVÁRIO AO INFINITO
3. REDENÇÃO
4. DOR SUPREMA
5. ALMAS CRUCIFICADAS

Anúncios

Uma resposta para Victor Hugo

  1. Pingback: Viajores – bemsabemos, o Blog da Anna

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s