Vocabulário

Espaço reservado para postarmos nossas dúvidas quanto a semântica das palavras.

Caso tenha alguma palavra que não saiba o significado, poste-a nos comentários abaixo.

Se há alguma palavra que leu em algum livro espírita e quer saber de qual livro ela saiu, clique aqui para descobrir.

Caso encontre algum erro ou tenha uma explicação mais límpida, por favor nos ajude a tecer melhores explicações.

  • Abnegado – Sacrificado, desinteressado, devotado.
    • Frase na imprensa com abnegado: Osama Bin Laden era odiado por muitos, mas, para muitos outros, era um heróiabnegado. Folha de São Paulo, 02/05/2011

  • Catalepsia
    • s.f. Estado em que ficam temporariamente suspensos os movimentos voluntários e a sensibilidade exterior.

  • Mediunidade Estuante – também chamada de espontanea, nas quais a sensibilidade psiquica se deixa traspassar, naturalmente pelas irradiações mentais afins, reclamando educação adequada para o justo aproveitamento dos recursos de que são portadoras.

  • Reflexo condicionado

    O que é o Reflexo Condicionado

    Júlio Rocha do Amaral e  Renato M.E. Sabbatini, PhD

    No final do século XIX e no início do século XX, um fisiologista russo chamado Ivan Pavlov (1849-1936), ao estudar a fisiologia do sistema gastrointestinal, fez uma das grandes descobertas científicas da atualidade: o reflexo condicionado. Foi uma das primeiras abordagens realmente objetivas e científicas ao estudo da aprendizagem, principalmente porque forneceu um modelo que podia ser verificado e explorado de inúmeras maneiras, usando a metodologia da fisiologia. Pavlov inaugurava, assim, a psicologia científica, acoplando-a à neurofisiologia. Por seus trabalhos, recebeu o prêmio Nobel concedido na área de Medicina e Fisiologia em 1904.


    Ilustração: Renato M. E. Sabbatini

    A experiência clássica de Pavlov é aquela do cão, a campainha e a salivação à vista de um pedaço de carne. Sempre que apresentamos ao cão um pedaço de carne, a visão da carne e sua olfação provocam salivação no animal. Se tocarmos uma campainha, qual o efeito sobre o animal? uma reação de orientação. Ele simplesmente olha, vira a cabeça para ver de onde vem aquele estímulo sonoro. Se tocarmos a campainha e em seguida mostrarmos a carne, dando-a ao cão, e fizermos isso repetidamente, depois de certo número de vezes o simples tocar da campainha provoca salivação no animal, preparando o seu aparelho digestivo para receber a carne. A campainha torna-se um sinal da carne que virá depois. Todo o organismo do animal reage como se a carne já estivesse presente, com salivação, secreção digestiva, motricidade digestiva etc. Um estímulo que nada tem a ver com a alimentação, meramente sonoro, passa a ser capaz de provocar modificações digestivas. 

    Para que surja um reflexo condicionado é preciso que existam certas condições:

    1. coexistência no tempo, várias vezes repetida, entre o agente indiferente e o estímulo incondicionado (no caso, o som da campainha e a apresentação da carne);
    2. o agente indiferente deve preceder em pouco tempo o estímulo incondicionado. Se dermos a carne primeiro e tocarmos a campainha depois, a reação condicionada não se estabelece;
    3. inexistência naquele momento de outros estímulos que possam provocar inibição de causa externa. Se simultaneamente damos uma chicotada no animal ou lhe jogamos água gelada, provocamos inibição, desencadeando reação de defesa no animal;
    4. para que o reflexo condicionado se mantenha, é necessário que periodicamente o reforcemos. Uma vez que o reflexo se formou, o mero som da campainha substitui a apresentação da carne. Mas, se tocarmos repetidamente a campainha e não mais apresentarmos a carne, depois de um certo número de vezes o animal deixa de reagir com salivação e secreção digestiva.

    Como Funciona o Reflexo Condicionado

    Estímulo ——-> Resposta Estímulo Indiferente + Estímulo Incondicionado (apresentação da carne) ———> Resposta Incondicionada Estímulo Indiferente ——–> Resposta Condicionada

    .
    Explicando melhor: um estímulo indiferente, combinado com um estímulo capaz de ativar um reflexo incondicionado, gera uma resposta incondicionada e, depois de algum tempo, o estímulo indiferente, por si só, é capaz de provocar resposta que pode, então, ser considerada como condicionada. Esses estímulos indiferentes podem vir tanto do meio externo (estímulos sonoros, luminosos, olfativos, táteis, térmicos) como do meio interno (vísceras, ossos, articulações).

    As respostas condicionadas podem ser motoras, secretoras ou neurovegetativas. Podem pois, ser condicionadas reações voluntárias ou reações vegetativas involuntárias. Podemos fazer com que respostas involuntárias apareçam de acordo com a nossa vontade, se usarmos o condicionamento adequado. As respostas condicionadas podem ser excitadoras (com aumento de função) ou inibidoras (com diminuição de função).

    Existem diversos exemplos de como se pode modificar, através do condicionamento, a fisiologia do animal e do ser humano. Citaremos apenas alguns, para, a partir deles, procurar compreender o que poderia ocorrer no momento do efeito placebo.

    A Modificação da Fisiologia Através do Condicionamento

    Pavlov e seus seguidores logo perceberam que o condicionamento era muito poderoso no sentido de alterar funções orgânicas. Diversos experimentos comprovaram isso, e abriram um enorme campo de estudos, com muitas conseqüências para a aplicação clínica em seres humanos.

    Por exemplo, coloca-se uma sonda retal em um cão e faz-se um enema salino (injeção de água salgada). A presença daquele soluto dentro do intestino provoca, ao fim de algum tempo, aumento da diurese (excreção renal de água) para restabelecer o equilíbrio hidroeletrolítico. Depois de algumas sessões de administração de enema salino através da sonda retal, a mera introdução da sonda retal, sem enema, também provoca aumento da diurese.

    Da mesma maneira, se antes de aplicar injeção de insulina em um cão, faz-se com que ele ouça sempre um assobio, a hipoglicemia que surge em decorrência da ação da insulina passará a surgir, depois de algum tempo, pela simples audição do assobio. O metabolismo do animal alterou-se, passando a responder com hipoglicemia a um estímulo sonoro que nada tem a ver, em condições normais, com o metabolismo dos glicídios.

    O Sistema Nervoso Central e os Reflexos Conditionados

    Finalmente, através do que ficou conhecido como a “Teoria Pavloviana da Atividade Nervosa Superior”, Pavlov e seus discípulos foram os primeiros pesquisadores a integrar os estudos da psicologia do aprendizado com a análise experimental da função cerebral. Eles mostraram que os reflexos condicionados se originam no córtex cerebral, o qual, segundo as palavras de Pavlov, “é o distribuidor primário e organizador de toda as atividades do organismo”. Ao longo de vários anos, ele e seus discípulos chegaram às leis básicas que governam a operação do córtex cerebral no aprendizado condicionado.

    Para Saber Mais



  • Telementação – desprendimento parcial da personalidade, com o deslocamento de centros sensoriais. (Mecanismos da mediunidade – pag 92)

  • Simbiose – s.f. Associação de dois ou mais seres de espécie diferente, que lhes permite viver com vantagens recíprocas e os caracteriza como um só organismo: o líquen é a simbiose de uma alga e de um cogumelo.
    Fig. Vida em comum.
    Concubinato.

  • Clarividência – é o fenômeno parapsicológico que permite a percepção visual de objetos por meios paranormais. Difere da telepatia pelo meio através do qual é adquirida a informação: enquanto na telepatia a informação provém da mente de outra pessoa, a clarividência provém de objetos. Este nome também é dado, em certas escolas de ocultismo, à chamada “visão espiritual”, que permite enxergar objetos e pessoas fora do meio físico.

  • Clariaudiência – sf (claro+audiência) 1 Ato ou faculdade de ouvir, especialmente em um estado de transe, sons além do alcance natural do ouvido. 2 Faculdade de ouvir a grande distância.
    •  é a faculdade mediante a qual o médium ouve vozessonspalavras, ruídos, sem a utilização do sentido da audição física, que estão além da percepção normal de nossa audição física comum.Quase sempre desperta em médiuns que já manifestaram a clarividência. Como essas impressões sonoras não são transmitidas aos órgãos auditivos físicos, o médium tem a impressão de que ouve dentro do cérebro. No meio espírita é também chamada simplesmente de audição.

  • Mediunidade aviltada – É a mediunidade que humilha, que favorece aos Espíritos fúteis, indecorosos, malvados.

  • Psicometria– a faculdade extra-sensorial de alguns indivíduos em extrair o conteúdo de algum objeto ou evento impressos fora de nossa realidade física, ou seja, metafisicamente falando, seria captar seu passado pregresso através de uma volição psíquica em que tudo que está sob o véu para a maioria dos seres se descortina perante o indivíduo com essa capacidade verossímil de subtrair do ambiente ou coisa a sua realidade ou conteúdo antes desconhecido.Para a Doutrina Espírita a psicometria é uma faculdade mediúnica rara.
  • Desdobramento

    É o nome que se dá o fenômeno de exteriorização do corpo espiritual ou perispírito.

    O perispírito ainda ligado ao corpo, distancia-se do mesmo, fazendo agora parte do mundo espiritual, ainda que esteja ligado ao corpo por fios fluídicos. Fenômenos estes, naturais que repousam sobre as propriedades do perispírito, sua capacidade de exteriorizar-se, irradiar-se, sobre suas propriedades depois da morte que se aplicam ao perispírito dos vivos (encarnados).

    Os laços que unem o perispírito ao corpo temporal, afrouxam-se por assim dizer, facultando ao espírito manter-se em relativa distancia, porém, não desligado de seu corpo. E esta ligação, permite ao espírito tomar conhecimento do que se passa com o seu corpo e retornar instantaneamente se algo acontecer. O corpo por sua vez, fica com suas funções reduzidas, pois dele foram distanciados os fluidos perispirituais, permanecendo somente o necessário para sua manutenção. Este estado em que fica o corpo no momento do desdobramento, também depende do grau de desdobramento que aconteça.

    Os desdobramentos podem ser:

    a) conscientes : Este, caracteriza-se pela lembrança exata do ocorrido, quando ao retornar ao corpo o ser recorda-se dos fatos e atividades por ele desempenhadas no ato do desdobramento. O sujeito é capaz de ver o seu “Duplo”, bem próximo, ou seja, de ver a ele mesmo no momento exato em que se inicia o desdobramento. Facilmente nestes casos, sente-se levantando geralmente a cabeça primeiramente e o restante do corpo, depois. Alguns flutuam e vêem o corpo carnal abaixo deitado, outros vêem-se ao lado dos corpos, todavia esta recordação é bastante profunda e a consciência e altamente límpida neste instante. Existe uma ligação ainda profunda dos fluidos perispirituais entre o corpo e o perispírito, facilitando assim, as recordações pós-desdobramento.

    b) inconscientes: Ao retornar o ser de nada recorda-se. Temos que nos lembrar que na maioria das vezes a atividade que desempenha o ser no momento desdobrado, fica como experiências para o próprio ser como espírito, sendo lembrado em alguns momentos para o despertar de algumas dificuldades e vêem como intuições, idéias.

    Os fluidos perispirituais são neste caso bem mais tênues e a dificuldade de recordação imediata fica um pouco mais árdua, todavia as informações e as experiências ficam armazenadas na memória perispiritual, vindo a tona futuramente.

    Em realidade a palavra inconsciente, é colocada por deficiência de linguagem, pois, inconsciência não existe, tendo em vista o despertar do espírito, levando consigo todas as experiências efetivadas pelo mesmo, então colocamos a palavra inconsciente aqui, é somente para atestarmos a temporária inconsciência do ser enquanto encarnado.

    c) voluntários: Se a própria pessoa promove este distanciamento. Analisemos algo bastante singular, nem todos os desdobramentos voluntários há consciência, pois como dissemos acima poderão haver algumas lembranças do ocorrido, existem ainda muitas dificuldades, no momento em que o espírito através de seu perispírito aproxima-se novamente de seu corpo, pela densidade ainda dos órgãos cerebrais é possível haver bloqueio dessas experiências. É necessário salientar que o ser encarnado na terra, ainda se encontra distante de controlar todos os seus potenciais, e por isso também há este esquecimento. Haja vista, algumas pessoas até provocarem o desdobramento e no momento de consciência terem medo e retornarem ao corpo apressadamente, dificultando ainda mais a recordação.

    Os desdobramentos podem também ocorrer nos momentos de reflexões, onde nos encontramos analisando profundamente nossos atos e cuja atividade nos propicia encontrar com seres que nos querem orientar para o bem, parte de nosso perispírito expande-se e vai captar as experiências e orientações devidas.

    d) provocados: Através de processos hipnóticos e magnéticos, agentes desencarnados ou até mesmo encarnados podem propiciar o desdobramento do ser encarnado. Os bons Espíritos podem provocar o desdobramento ou auxiliá-los sempre com finalidades superiores. Mas espíritos obsessores também podem provocá-los para produzir efeitos malefícios. Afinizando-se com as deficiências morais dos desencarnados, propiciamos assim, uma maior facilidade para que os espíritos mal-feitores possam provocar o desligamento do corpo físico atraindo o ser encarnado para suas experiências fora do corpo. A lei que exerce esta dependência é a de afinidade.

    e) emancipação Letárgica: Decorre da emancipação parcial do espírito, podendo ser causada por fatores físicos ou espirituais. Neste caso o corpo perde temporariamente a sensibilidade e o movimento, a pessoa nada sente, pois os fluidos perispiríticos estão muito tênues em relação a ligação com o corpo. O ser não vê o mundo exterior com os olhos físicos, torna-se por alguns instantes incapaz da vida consciente. Apesar da vitalidade do corpo continuar executando-se.

    Há flacidez geral dos membros. Se suspendermos um braço, ele ao ser solto cairá.

    e) emancipação Cataléptica: Como acima, também resulta da emancipação parcial do espírito. Nela, existe a perda momentânea da sensibilidade, como na letargia, todavia existe uma rigidez dos membros. A inteligência pode se manifestar nestes casos. Difere da letárgica, por não envolver o corpo todo, podendo ser localizado numa parte do corpo, onde for menor o envolvimento dos fluidos perispirituais.

    Fonte: http://www.espirito.org.br/portal/artigos/elferr/atividade-noturna.html


  • Psicossoma – O Corpo Astral ou Perispírito – é o corpo com que nos manifestamos no plano espiritual ou astral. É também composto de uma variação do fluido cósmico universal, mas numa “versão mais light”, ou seja, numa constituição mais sutil, de densidade bem menor que a do corpo físico e menor também que a do duplo etérico. Segundo o Espiritismo, é o perispírito que funciona como molde para a formação de cada novo corpo físico e é nele também que ficariam gravadas todas as nossas experiências encarnatórias e também aquelas vividas entre uma encarnação e outra, como se fosse uma fita cassete ou, pra ser mais moderna, um CD-R (Compact-Disc Regravável).

  • Fluidoterapia – É a capacidade de através da doação de fluídos, interferir positivamente na saúde das pessoas, que pode ser:
    •Através do passe
    •Através da água fluídaPASSE
  • É uma transfusão de energias psíquicas e espirituais que alteram o campo celular.
    •Não é uma técnica.
    •É um ato de amor.
    •Não foi inventado pelo espiritismo, mas foi estudado por ele.
    •Jesus utilizava-o.O PASSE ATUA COMO
    •REVITALIZADOR – recompondo energias perdidas,
    •DISPERSA FLUÍDOS NEGATIVOS
    •AUXILIA NA CURA DAS ENFERMIDADESRECEPTIVIDADE NA HORA DO PASSE
    RECEPTIVOS:
    •fé
    •recolhimento
    •respeito
    DESCRENTES:
    •ironia
    •descrença
    •dureza de coração

    RECEPTIVOS: Na pessoa de fé, no momento de receber o passe, a sua mente e o seu coração funcionam como um poderoso imã, atraindo as forças curativas.
    DESCRENTES: O fenômeno se dá ao oposto. Ele repele os jorros de fluídos que o médium canaliza para seu organismo. Podemos comparar com uma camada de gelo.

    ÁGUA FLUÍDA
    Nada mais é do que a água normal, acrescida de fluídos curadores. Esses fluídos são introduzidos pelos espíritos amigos, bem como pelo passista.

    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/fluidoterapia/o-que-e-fluidoterapia/#ixzz1QJfEVR59



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s