A reencarnação e as Escrituras

reencarnao-na-bbliaa15hs-1-638

Diante de uma polêmica levantada recentemente pela revista Veja, a propósito de não estar a reencarnação citada na Bíblia, vale lembrar que entre os hebreus a idéia das vidas anteriores era geralmente admitida, embora apareça algumas vezes de maneira velada, como se vê em Isaías (26:19) e Jó (14:10 e 14).

O Decálogo, recebido por Moisés no Sinai, refere-se à idéia da reencarnação logo no primeiro mandamento, assim constante de Êxodo, 20:1-17:

“Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás deuses estrangeiros diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem figura alguma de tudo o que há em cima no céu, e do que há embaixo na terra, nem de cousa alguma que haja nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto: porque eu sou o Senhor teu Deus, o Deus forte e zeloso, que vinga a iniqüidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem. E que usa de misericórdia até mil gerações com aqueles que me amam e que guardam os meus preceitos.”

A punição dos “filhos” por causa do erro dos pais, um absurdo, especialmente se praticada por Deus, é na verdade a punição dos “pais” que retornam à carne anos depois de sua desencarnação, geralmente na mesma família, fato registrado na literatura espírita e, por sinal, bastante comum.

No Evangelho de Mateus, 16:13-16, lemos: “Tendo chegado à região de Cesaréia de Filipe, Jesus perguntou aos discípulos: Quem dizem por aí as pessoas que é o Filho do homem?. Responderam: Umas dizem que é João Batista; outras, que é Elias; outras, enfim, que é Jeremias ou algum dos profetas.” Ora, Jeremias, que vivera séculos antes do Cristo, morrera velhinho e doente. Jesus era um jovem e sua mãe, conhecida. Se Jeremias, como pensavam os hebreus, fosse Jesus, só poderia sê-lo pelo processo da reencarnação, ou seja, por seu retorno à carne em outro corpo, que é exatamente a idéia da palingenesia ou reencarnação.

Ainda em Mateus, 11:13-15, encontramos: “Com efeito, todos os Profetas, bem como a Lei, profetizaram até João. E, se quiserdes compreendê-los, João é o Elias que estava para vir. Quem tiver ouvidos, que escute bem.” E adiante, no mesmo Evangelho, 17:11-13: “Respondeu-lhes Jesus: Elias há de vir para restabelecer todas as coisas. Mas eu vos digo que Elias já veio e não o reconheceram, mas fizeram com ele o que quiseram. Então, os discípulos compreenderam que Jesus lhes tinha falado a respeito de João Batista.” (Mateus, 17:11-13.)

No diálogo com Nicodemos, Jesus declarou: “Eu vos afirmo e esta é a verdade: se alguém não nascer da água e do Espírito, não poderá entrar no Reino de Deus. O que nasce da carne é carne; o que nasce do Espírito é espírito.” (João, 3:5-6.)

Ensinada por inúmeros sábios e filósofos da Antiguidade, como Pitágoras, Sócrates e Platão, a palingenesia ou reencarnação não foi estranha aos cristãos primitivos.

Diz São Jerônimo que tal doutrina foi ensinada por muito tempo como uma verdade esotérica e tradicional e Orígenes a admitia como uma necessidade lógica para a compreensão da Bíblia.

Evidentemente o Espiritismo não a buscou nas Escrituras, porque são inúmeras as provas – independentemente da sanção bíblica – de que a reencarnação é uma lei natural, e foi por isso que Kardec a arrolou entre os princípios fundamentais da Doutrina Espírita, primeiro por ser lógica, segundo por estar sancionada pelos fatos.

Editorial Jornal O Consolador – Maio de 2007

Anúncios
Esse post foi publicado em artigos. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s